Enviando...

1.1k visualizações

Quarta, 10 de julho de 2019 por Redação BoaDiversão

Museu de Arte do Rio sedia FLIP::FLUP

Evento é um encontro da festa literária de Paraty com a das Periferias

  • compartilhar

  • whatsapp Google+

Foto: Divulgação 

FLIP::FLUP acontece um dia após o fim da Festa Literária de Paraty, e antecipa a das Periferias, marcada para outubro deste ano

No dia 15 de julho, o Museu de Arte do Rio promove o encontro de duas festas literárias, a FLIP, de Paraty, e FLUP, das periferias. Das 10h às 20h, o evento oferece mesas de debate dedicadas à importância do pensamento anticolonial, trazendo autores nacionais e estrangeiros como Grada Kilomba (Portugal), Grace Passô (Brasil), Nina George (Alemanha), Joelle Taylor (Reino Unido) e Hermano Vianna (Brasil).

Além da programação da FLIP::FLUP, o visitante pode conferir gratuitamente o Pavilhão de Exposições do MAR, das 10h às 17h. O museu fica na Praça Mauá, 5 – Centro.

 

Programação completa:

10h às 17h – Pavilhão de Exposições aberto ao público gratuitamente

10h – Credenciamento e retirada de aparelhos de tradução

10h30 – 12h30 – Mesa 1 – Catálogo de esquecimentos

Auditório. 80 lugares. Haverá tradução simultânea para Português e LIBRAS.

Os museus têm sido apresentados como santuários do saber - no sentido religioso, cultural, científico e até mesmo ecológico. Mas essa espécie de reserva civilizatória tem impedido uma reflexão sobre o que suas narrativas ocultam - como por exemplo o modo e a que preço seus acervos foram construídos. Que forças operam na constituição e na atuação dos museus? Temos o direito de perguntar o que está oculto em cada um de seus projetos ou exposições?

Palestrantes:

Antonio Forcellino - Arquiteto, escritor e restaurador, é autor da trilogia O Século dos Gigantes e trabalhou na restauração de obras como o David de Michelangelo, dos afrescos do Palazzo Barberini, em Roma.

Juan Manuel Bonet - Diretor do Centro de Arte Reina Sofia, Madri

Jesper Stub Johnsen - Diretor de Pesquisa, Coleções e Conservação do Museu Nacional da Dinamarca

Mario Chagas - Diretor do Museu da República, um dos idealizadores do IBRAM, membro do Museu das Remoções.

Mediação: Evandro Salles

 

14h – 15h30 – Mesa 2 – E por falar em placas tectônicas

Pilotis. Não haverá inscrição. 450 lugares. 300 pontos de tradução simultânea distribuídos por ordem de chegada. Haverá tradução para LIBRAS.

A sociedade, assim como a terra na qual brotamos em uma noite inesperada, vive em constante deslocamento. Essas mudanças, que quase sempre acontecem longe dos olhos do establishment e do mainstream, costumam vir acompanhadas de novos ritmos musicais. Como o funk, o kuduro e outros gêneros musicais criaram uma nova ordem e uma nova noção de centro para o mundo?

Palestrantes:

Hermano Vianna, antropólogo e diretor de televisão

Kalaf Epalanga, produtor musical e escritor angolano radicado em Lisboa

Quito Ribeiro, músico e agitador cultural carioca

Mediação: Julio Ludemir

 

15h30 - 16h - Interlúdio com Taísa Machado - Afrofunk

Pilotis. Não haverá inscrição. 450 lugares.

16h30 - 18h - Mesa 3 - Diversidade é uma palavra feminina

Pilotis. Não haverá inscrição. 450 lugares. 300 pontos de tradução simultânea distribuídos por ordem de chegada. Haverá tradução para LIBRAS.

As turcas de burca, as alemãs que cresceram sob a vergonha nazista e as negras com as mãos calejadas pelo trabalho doméstico - todas elas, elas e todas as mulheres, conhecem o hálito azedo do macho opressor. Mas o feminismo, além de complexo, pode se tornar um objeto de disputa se não levar em consideração essas minúcias e complexidades.

Participantes:

Grace Passô - Atriz, diretora e dramaturga mineira

Nina George - Romancista e feminista alemã, com três livros publicados no Brasil

Joelle Taylor - Premiada poeta, slammer e dramaturga inglesa.

Mediação: Izabela Pucu

 

18h30 - 20h - Mesa 4 - Anastácias redivivas - O feminismo negro em meio à tempestade

Pilotis. Não haverá inscrição. 450 lugares. Haverá tradução para LIBRAS.

Não é de hoje que tentam calar a mulher negra - como bem o demonstra a imagem da Escrava Anastácia, onipresente no inconsciente coletivo brasileiro. O racismo estrutural sobre o qual se constituiu nossa sociedade já não ousa amordaçá-la em praça pública com aquela máscara de ferro, mas o assassinato da vereadora Marielle Franco está longe de ser a última violência contra os desejantes discursos da empoderada geração de Ana Paulas, Djamilas, Suelys, Flávias e Giovanas.

Participantes:

Grada Kilomba - Escritora e dramaturga portuguesa, radicada em Berlim

Flavia Oliveira - Jornalista carioca

Mediação: Ana Paula Lisboa

 

21h - 00h - Noite de autógrafos com Grada Kilomba

Casa Porto - Largo São Francisco da Prainha, 4 - Saúde,

Sujeito à lotação.

  • compartilhar

  • whatsapp Google+
Notícias relacionadas » veja mais notícias

Opinião dos usuários (0)

    Mais recentes
    • Marcelo Camargo:

      rio anos 80

    • Marcelo Camargo:

      farah festas...maravilhoso...na joatinga; vista , tipo de música, decoração, alimentação, boa companhia ( MARAVILHOSO )
      comer milho no bar bem em são conrado.....
      comer milho no bar “pot” em são conrado...
      ir nos motéis: Tokyo, Playboy, Xa Xa Xa, Barra tourist, Skorpios, Dunas, Marbella, Vip’s, King’s,
      Escort, Praia Linda, Verlaine no centro ( esse tinha que subir de elevador, e quando o elevador estava cheio ?....kkkk )
      Convés, Náu catrineta, Tarantella, Farol da barra, Oswaldo
      dancin days no morro da urca....
      ir num pub londrino em botafogo, rua bambina, não lembro mais o nome.....
      boate new York city rua visconde de pirajá.....
      um karaokê que ficava na josé linhares esq de humberto de campos, perto da selva de pedra.....
      comer pizza do bela blu do leme....
      comer pizza numa pizzaria na rua dos jangadeiros, esqueci o nome
      comer founde no le chalet suisse na xavier da Silveira...
      comer no maxim’s na torre do rio sul...
      loja de doce, não lembro o nome na visconde silva – Humaitá
      bob’s da constante ramos, azulejo preto....
      la mole da dias ferreira.....
      restaurante japonês, putz não lembro o nome, ficava na av Sernambetiba, logo no início do recreio, no meio do mato e da junto à lagoa...
      cine rian.....
      importadoras na galeria Menescal, camiseta da adidas, rosa com 03 listas azuis no ombro.
      chico’s bar, piano bar anexo do castelo da lagoa.....maravilhoso......!!!!
      pizzaria guanabara, massa relativamente doce....uma delícia
      boate castel / Palace Club, no posto 6 no lobby do hotel....eu era sócio lá....rsrs
      bar da lagoa, maravilhoso.......fácil conhecer alguém lá...!!
      chaika em frente ao itanhangá
      boate calígula, no início da prudente de morais.....
      quem estava procurando alguém.......barril 1800, castelinho, um bar que não lembro o nome, na esquina da vieira souto com farme de amoedo; não acredito, esqueci o nome daquele bar na delfim moreira esquina de rainha guilhermina.
      num destes 04 voce “arrumava” alguém....rsrsrs.
      Comprar pipa em Copacabana
      Ir na sorveteria “Zero” em Copacabana
      Beco das garrafas no lido
      Namorar dentro do carro no arpoador, tranquilo, sem bandidos
      Comer sanduiche submarino no gordon do Leblon.
      Fazer uma “média” na farmácia Piauí no Leblon....a primeira e única 24 horas da época
      Comer salgados na cirandinha – av Copacabana
      Sorvete ricco
      Comprar roupa na loja da tavares na avenida copacabana

    • gustavo :

      vendo 1 ingresso ainda me chamem no whatsapp 31 988899277 meia premium 120

    • gustavo :

      vendo 1 ingresso premium meia 140

    • Rodrigo Gomes:

      Os garçons agem de má fé cobrando bebidas a mais, errando no troco e sequer dão comprovante fiscal. Péssima experiência, nunca mais volto!! E NÃO RECOMENDO!

    • lara prestes:

      Pedro Coelho é um filme muito divertido e obviamente como a maioria dos filmes animados tem uma mensagem muito linda, não se sei se você teve chance de ver. Quero vê-la novamente e aqui: https://br.hbomax.tv/movie/TTL617492/Pedro-Coelho encontrei os horários nos quais será transmitida. Juro que vale muito a pena ver porque apesar de que é uma historia feita completamente para crianças, sente que esta muito bem adequada para que qualquer membro da família possa ver e ficar encantado com a história. Super indico